Museu Histórico Nacional

Área de identificação

Identificador

BR RJMHN

Forma autorizada do nome

Museu Histórico Nacional

Forma(s) paralela(s) de nome

Outra(s) forma(s) de nome

  • MHN

Tipo

  • Nacional

Área de contato

 

Arquivista - Daniella Gomes dos Santos

Tipo

Endereço

Endereço

Praça Marechal Âncora s/n

Localidade

Rio de Janeiro

Região

Rio de Janeiro

Nome do país

CEP

20021-200

Telefone

55 21 3299-0368

Fax

Email

Endereço eletrônico

Nota

área de descrição

Histórico

Numa ponta que avançava sobre o mar, entre as então existentes praias de Piaçaba e Santa Luzia, posteriormente conhecida como Ponta do Calabouço, os portugueses construíram em 1603 a Fortaleza de Santiago, origem do conjunto arquitetônico que abriga o Museu Histórico Nacional - MHN. Na década de 1920 a Ponta do Calabouço foi aterrada e urbanizada para acolher Exposição Internacional do Centenário da Independência. As edificações existentes foram ampliadas, reformadas e abertas ao público em 1922, abrigando o Palácio das Grandes Indústrias. Em duas galerias desse Pavilhão foi instalado o Museu Histórico Nacional, criado naquele ano pelo Presidente Epitácio Pessoa, dotando o Brasil de um museu dedicado à história nacional. Durante o século XX, o Museu ocupou todo o espaço arquitetônico, formando um dos maiores acervos do país, que hoje representa 67% das coleções nacionais em museus do Ministério da Cultura. O Museu reúne objetos históricos e artísticos, documentos, livros, raros e a mais significativa coleção de numismática da América Latina. Entre 2003 e 2010, foram feitas obras de restauração e modernização do Museu, ampliando espaços, aprimorando serviços oferecidos aos visitantes, democratizando o acesso dos mais diversos segmentos sociais e viabilizando a circulação e o percurso adequados ao novo discurso museográfico. O MHN foi sede da primeira escola de museologia do país, firmou-se como instituição de pesquisa e formação do conhecimento. Promove cursos, seminários, debates, edita Anais e outras publicações. O MHN possui Arquivo Institucional, Arquivo Histórico, Biblioteca e Reserva Técnica aberta ao público para pesquisa. O Setor Educativo do MHN promove atividades específicas para professores e alunos, além de projetos de inclusão social. Disponibiliza também exposições itinerantes para instituições.

contexto cultural e geográfico

O Museu Histórico Nacional está localizado no antigo bairro da Misericórdia, o mais antigo da cidade ao sopé do Morro do Castelo onde foi construída cidadela murada, primeiro núcleo da cidade de São Sebastião. O Castelo foi arrasado em 1922, mas das janelas do Museu Histórico vê-se ainda hoje a ladeira da Misericórdia, caminho para o alto da Sé no Castelo. O Largo da Misericórdia, defronte ao Museu, é atualmente o logradouro mais antigo da cidade, um vestígio do século XVII.
Com os 450 anos da cidade, a região de entorno ao MHN está sendo valorizada culturalmente, pois a demolição da Perimetral facilitou o acesso ao mar, outrora tão presente na vida carioca. O museu está, desde então, integrado à Orla Condi, o novo passeio da cidade.

Mandatos/Fontes de autoridade

Diretores (as) do MHN:
Gustavo Barroso - 1922
Rodolfo Garcia - 1930
Josué Montello - 1959
Léo Fonseca - 1967
Gerardo Britto Câmara - 1971
Rui Mourão - diretor interino - 1984
Solange de Sampaio Godoy - 1985
Helísa Magalhaẽs Duncan - 1989
Ecyla Castanheira Brandão - 1990
Vera Lúcia Bottrel Tostes - 1994
Ruth Beatriz Caldeira - diretora interina - 2014
Paulo Knauss Mendonça - 2015
Vania Drummond Bonelli (diretora interina) - 2020
Aline Montenegro Magalhães (diretora substituta) - 2022
Fernanda Santana Rabello de Castro (diretora substituta) - 2022

estrutura administrativa

Políticas de gestão e entrada de documentos

Prédios

O Museu Histórico Nacional está localizado em três prédios históricos: o Forte de Santiago, construído no século XVI em local conhecido como Ponta da Piaçava e posteriormente denominado Ponta do Calabouço; a Casa do Trem, erguido a mando de Gomes Freire de Andrade em 1762, para guardar armamentos das tropas; o Arsenal de Guerra, implantado em 1763, devido à transferência da sede do governo colonial para o Rio de Janeiro, para a fabricação de munições e reparos de armamentos.
Em 1922, esses três prédios coloniais foram reformados e adaptados para abrigar o Pavilhão das Grandes Indústrias na Exposição Internacional para as comemorações do centenário da Independência do Brasil. Após a Exposição, o recém fundado Museu Histórico Nacional ocupou o pavilhão.

Acervos documentais

Instrumentos de pesquisa, guias e publicações

Publicações:

  • Catálogo da Coleção Iconográfica do Arquivo Histórico, 1997
  • Anais do MHN. Lançado em 1940, circulou regularmente até 1975. Retomado em 1995, os anais são publicados regularmente e constituem material de referência para pesquisadores de ciências humanas e sociais.
  • Livro do Seminário Internacional. A partir de 2002, o MHN publica livro com as palestras do Seminário, que atualmente é referência nos estudos sobre História, Museologia e Patrimônio.
    Biblioteca Virtual do MHN: http://www.docpro.com.br/mhn/bibliotecadigital.html

área de acesso

horário de funcionamento

Condição de acesso e uso

Acessibilidade

área de serviços

serviços de pesquisa

serviços de reprodução

Áreas públicas

Zona do controlo

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão ou eliminação

Línguas e escritas

Script(s)

Fontes

Notas de manutenção

Pontos de acesso

Pontos de acesso

  • Área de transferência

Contato principal

Praça Marechal Âncora s/n
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 20021-200