Mostrando 197 resultados

registro de autoridade

Augusto Rodrigues

  • Augusto Rodrigues
  • Pessoa
  • 1913 - 1993

Augusto Rodrigues (Recife, Pernambuco, 1913 - Resende, Rio de Janeiro, 1993). Educador, pintor, desenhista, gravador, ilustrador, caricaturista, fotógrafo, poeta. Trabalha no ateliê de Percy Lau (1903-1972) e, em 1933, realiza sua primeira exposição individual, no Recife. Nesse ano, inicia sua atividade como ilustrador e caricaturista no Diário de Pernambuco. Ao lado de Guignard (1896-1962), Candido Portinari (1903-1962), e outros, expõe, em 1934, na Associação dos Artistas Brasileiros, no Rio de Janeiro. Em 1935, transfere-se para essa cidade e logo se torna colaborador de jornais e de revistas como O Estado de S. Paulo e O Cruzeiro. Participa da fundação e do planejamento dos jornais Folha Carioca, Diretrizes e Última Hora. Em 1942, realiza exposição individual, com cerca de 100 desenhos, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA). Com a colaboração de Lúcia Alencastro (1921-1996), Oswaldo Goeldi (1895-1961), Vera Tormenta (1930), Fernando Pamplona e Humberto Branco, funda a Escolinha de Arte do Brasil, em 1948. Em 1953, participa da 2ª Bienal Internacional de São Paulo e, com Geza Heller (1902-1992) e Marcelo Grassmann (1925), expõe na Petite Galerie e, no 2º Salão Nacional de Arte Moderna, em que obtém o prêmio de viagem ao exterior, na categoria desenho. Em 1971, integra a mostra Panorama do Desenho Brasileiro, organizada pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), e edita seu primeiro livro de poesia, 27 Poemas. O segundo, A Fé entre os Desencantos, é publicado em 1980. Em 1989, lança Largo do Boticário - Em Preto e Branco, com 80 fotografias tiradas no decorrer dos anos.

Ecyla Castanheira Brandão

  • Ecyla Castanheira Brandão
  • Pessoa
  • 1926 - 2014

Ecyla Castanheira Brandão (Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 1926) é filha de Eurico de Mello Brandão e Antônia Renault Castanheira Brandão.
Formou-se em Museologia no curso do Museu Histórico Nacional no ano de 1953 e especializou-se em História da Arte pela Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa – Portugal no ano de 1964.
Foi professora Adjunta de História da Arte da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro no período de 1959/1985; professora responsável pela Cadeira de História da Pintura e da Gravura do Curso de Museus (M.H.N./MEC) no período de 1964/1973; professora do Curso de Introdução à Museologia promovido pelo Departamento de Cultura do Governo de Santa Catarina em Florianópolis em agosto de 1971; professora de Técnicas Gerais em Museus promovido pela Universidade Federal de Santa Maria no Rio Grande do Sul em julho de 1973 e professora do Curso de Introdução à Museologia promovido pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Minas Gerais em julho de 1975.
Realizou estágio na Divisão Técnica do Museu Histórico Nacional (1954-1955) e na Oficina de Têxteis do Instituto José Figueiredo para exame e conservação de obras de arte.
Como museóloga, realizou as seguintes funções: Conservadora do Museu Histórico Nacional (1955-1967); Chefe da Seção de Arte Retrospectiva do Museu Histórico Nacional (1962-1967); Chefe da Seção Técnica do Museu Nacional de Belas Artes (1967-1972); Chefe da Divisão Museu da República no Museu Histórico Nacional (1973-1977); Chefe da Divisão de Atividades Educacionais e Culturais no Museu Histórico Nacional (1977-1982); Coordenadora Substituta do Programa Nacional de Museus da Fundação Nacional Pró-Memória; Diretora Adjunta do Museu Nacional de Belas Artes (1985-1990) e Diretora do Museu Histórico Nacional (1990-1994).
Ecyla ainda foi responsável pelo inventário do Acervo Artístico da Escola Nacional de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pela montagem do Museu D. João VI (UFRJ).
Elaborou parecer e acompanhou o processo de criação do Museu ao Ar Livre de Orleans em Santa Catarina e também do projeto de criação do Museu do Serro em Minas Gerais.
Coordenou o Grupo de Trabalho que executou o inventário do acervo do Palácio do Itamaraty, sendo logo depois criado o Museu Histórico e Diplomático do Itamaraty (1981-1982).
Organizou e montou as seguintes Exposições: “1ª Exposição do Museu do Açúcar” em 1960; “Arte do Retrato”, realizada no Museu Histórico Nacional em dezembro de 1963; “Presença de Portugal”, realizada no Museu Histórico Nacional em agosto de 1966; “Memória da Independência”, Exposição comemorativa do sesquicentenário da Independência (MEC) em 1972 e “Arte Sacra no Museu Histórico Nacional”, realizada no Palácio do Catete em 1977. Colaborou na organização da Exposição “Arte Popular Brasileira Hoje” em Paris no ano de 1987.
Selecionou e arrumou as Medalhas da Coleção “Jerônimo Ferreira das Neves”, da Escola Nacional de Belas Artes (UFRJ).
Coordenou a visita de diretores de Museus portugueses ao Brasil, promovida pelos Serviços Culturais da Embaixada de Portugal e do Ciclo de Palestras que realizaram no Rio de Janeiro em 1968.
Foi representante do Museu Nacional de Belas Artes na inauguração do Museu da Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa, em dois de outubro de 1969.
Participou da elaboração do inventário das peças de Artes Decorativas da “Coleção Paulo Geyer” do Museu Imperial 1998-1999.
Participou das seguintes conferências: “História da Pintura”, realizadas em Fortaleza e Teresina em abril de 1968; “O Museu Atual e a Cultura”, realizada pelo Instituto de Belas Artes do Departamento de Cultura da Guanabara em março de 1969; Curso de Arte através dos Tempos, realizada no Centro Técnico de Turismo e Promoções (CETUR) em 1974; “Momentos de Crise e seus Reflexos na História da Pintura”, realizada na Biblioteca Nacional em 12 de fevereiro de 1976; “A Mudança de Gosto no século XIX”, realizada na Biblioteca Nacional em 19 de fevereiro de 1976; “A Missão Artística Francesa”, realizada no M. H. N. em 20 de outubro de 1999.
Publicou e apresentou os trabalhos: “A vida e a Arte de Thorwaldsen”, Anais do Museu Histórico Nacional vol. IX; “Um desenho de Parreiras”, Anais do Museu Histórico Nacional vol. X; “Sugestão para um Plano de Propaganda de Museus”, 1º Congresso de Museus em 1956; “Pesquisa entre Visitantes no Museu Nacional de Belas Artes”, 5º Colóquio Brasileiro de Museus de Artes realizado em Curitiba em 1970 e “Uma Planta Arquitetural do Rio de Janeiro” publicado no Diário de Notícias em 1960.
Foi agraciada com as medalhas: “50 Anos do Museu Nacional de Belas Artes” em 1987; “Medalha Henrique Sérgio Gregory” em 1992; “Medalha Princesa Isabel” em 1994; “75 Anos do Museu Histórico Nacional” em 1997; “Mérito Cultural” pelos 175 anos da Colonização Suíça em Friburgo (RJ); “Mérito Museológico” em 2004; “Gustavo Barroso” em 2010 e “Cinquentenário do Museu da República” em 2010.
Recebeu as seguintes placas: “Programa Nacional de Museus” em 1986; “I Seminário Latino Americano de Museologia”; “Prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade” em 1998 e Homenagem a personalidades da Museologia em 2006.
Foi homenageada por ser membro da Comissão Especial do Prêmio “Moinho Santista” em 1979. Recebeu homenagem da IMSP-FESPSP durante o 1º Seminário Latino Americano de Museologia em 1990, bem como, em 13 de novembro de 2001, do Centro de Referência Luso-Brasileira do Museu Histórico Nacional. O Curso de Especialização em Museologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo a homenageou, por sua relevante contribuição à formação de profissionais em Museologia no Brasil, em março de 2002.
Até seu falecimento em 25 de março de 2014, foi sócia da Associação dos Museus de Arte no Brasil – AMAB e da Associação Brasileira de Museologia/Membro Fundador – ABM. Ademais, participou como membro Internacional Council of Museums – ICOM, foi membro do Comitê Nacional do ONICOM, do Comitê Brasileiro de História da Arte filiado ao Comitê Internacional d’Histoire de I’Art (CIHI) e também do Conselho Regional de Museologia do Rio de Janeiro.

Sofia Jobim Magno de Carvalho

  • Pessoa
  • 1904-1968

Sofia Jobim Magno de Carvalho, nasceu em Avaré – SP em 19/09/1904, filha do ilustre magistrado Dr. Francisco Antenor Jobim e de sua esposa Quita Pinheiro Machado. Ali fez seus estudos primários no Colégio das Freiras Marcelinas, tirando a seguir um curso de professora secundária, na Escola Normal. Continuando os estudos de aperfeiçoamento pedagógico dedicou-se a Psicologia Experimental, com ênfase na Psicologia do Adolescente. Fundou o Liceu Império, escola de artes femininas, desenvolvendo na mulher a noção de sua capacidade realizadora, ministrando conhecimentos de artes comerciais. Foi professora de História na Escola Normal de Santos Dumont, Palmira, em Minas Gerais. Mais tarde, no Instituto Orsina da Fonseca no Rio de Janeiro e no Seminário de Arte Dramática do Teatro do Estudante. Exerceu, ainda, a função de professora do Conservatório Nacional de Teatro do Ministério da Educação, regendo ali a cadeira de Usos e Costumes. Durante 22 anos foi diretora do Liceu Império, a maior e mais conceituada Escola Profissional no Rio de Janeiro. A partir de 1949, passa a reger a disciplina de Indumentária Histórica na ENBA – Escola Nacional de Belas Artes, onde em 19/04/1956, segundo a Portaria 148 passou a exercer a função de Professora Regente, ref. 27, aprovado pelo Decreto nº 35.141 de 04/03/1954. Dotada de espírito associativo, quando se pensou fundar no Rio de Janeiro o Clube Soroptimista, por iniciativa de Berta Lutz, foi a casa de Sofia a escolhida para que ali se fundasse aquela instituição. Casou-se em 19/09/1927 com o engenheiro Waldemar Magno de Carvalho, com o qual não teve filhos. Morreu de embolia pulmonar no dia 02/07/1968. Chamava-se Maria Sofia Pinheiro Machado Jobim, nome de solteira. Assinava SOPHIA, com ph, nome artístico.

Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

  • Pessoa
  • 1852-1924

Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva, militar e político brasileiro. Nasceu em Pernambuco em 1852 e morreu no Rio de Janeiro em 1924. Filho do Major Manoel Gonçalves de Albuquerque e Silva e Ana Belo Gonçalves de A. e Silva. Foi professor da Escola de Infantaria do Rio Grande do Sul e Comandante da Escola de Tiro de Rio Pardo. Em 1890 foi promovido ao posto de Tenente Coronel do Corpo de Estado Maior por merecimento. Elegeu-se deputado pelo Rio Grande do Sul nas eleições de 1891. Em 1911 era Comandante da 2ª Brigada Estratégia, quando requereu sua reforma. Foi Ministro da Guerra entre 30/03/1912 e 15/11/1914, durante o governo do Mal. Hermes da Fonseca.

Wenceslau Brás Pereira Gomes

  • Pessoa
  • 1868-1966

Wenceslau Brás Pereira Gomes nasceu em Brasópolis (na época conhecida por São Caetano da Vargem Grande) no dia 26 de fevereiro de 1868 e faleceu em Itajubá no dia 15 de maio de 1966. Era filho de Francisco Brás Pereira Gomes e de Isabel Pereira dos Santos. Foi um advogado e político brasileiro; presidente do Brasil entre 1914 e 1918, com um pequeno afastamento de um mês em 1917 por motivo de doença. Wenceslau Brás obteve o diploma de bacharel em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1890. De volta a Minas Gerais, foi advogado e promotor público em Monte Santo, presidiu a Câmara Municipal de Jacuí, e a seguir foi deputado estadual. Promulgou o primeiro Código Civil brasileiro, que entrou em vigor em 1 de janeiro de 1916 e que foi a primeira lei a grafar o nome Brasil com a letra S.

Antonio Ferreira Ribeiro da Silva

  • Família
  • ?

Filho do Tenente Pedro Ribeiro da Silva. Doutor em Sciencias [Ciências] Médico-Cirúrgicas, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. 3/4/1891. Médico, operador e parteiro. Moléstias de senhoras (tratamento por meio de curativos); Moléstias de crianças, Moléstias da pelle, Moléstias venéreas, Sífilis, Pneumotórax artificial. Com consultório na Rua Marechal Bittencourt, 85 – estação de Riachuelo. Participação no “XIIIe Congres International de Médicine” (XIII Congresso Internacional de Medicina), realizado entre os dias 2/4/1900 e 9/4/1900 em Paris, França. Ex-chefe da Clínica do Professor Moncorvo, com prática dos hospitais de Paris, etc. Nomeado Delegado de Hygiene [Higiene] e Vaccinação [Vacinação] do município de São João del Rei. Secretaria do Interior do Estado de Minas [Gerais], pela Directoria de Hygiene [Diretoria de Higiene]. Belo Horizonte, Minas Gerais, 12/1/1926.

Teresa Cristina de Bourbon

  • Família
  • 1822-1889

Apelidada de "Mãe dos Brasileiros", foi a esposa do imperador D. Pedro II e imperatriz consorte do Império do Brasil de 1843 até a abolição da monarquia em 1889. Nascida como uma princesa do Reino das Duas Sicílias, era filha do rei Francisco I, pertencente ao ramo italiano da Casa de Bourbon, e sua esposa a infanta Maria Isabel da Espanha. Ela se casou por procuração com Pedro II em 1843. As expectativas de seu marido eram altas devido a um retrato que lhe havia sido presenteado em que Teresa Cristina era mostrada como uma beleza idealizada, porém ele ficou insatisfeito com aparência simples da noiva ao encontrá-la pela primeira vez. A relação do casal melhorou com os anos apesar do começo frio, principalmente por causa da paciência, bondade, generosidade e simplicidade de Teresa Cristina. Essas características também lhe ajudaram a ganhar os corações dos brasileiros, com sua distância de controvérsias políticas lhe protegendo de críticas. Ela também patrocinou estudos arqueológicos na Itália e ajudou na imigração italiana para o Brasil.

Diversos

Diversos

Maranhão

  • Entidade coletiva
  • 1811

Em 1811, o Estado do Maranhão, mais ou menos dentro das limitações geográficas com que aderira à Independência do Brasil, tornou-se província do Império e perdeu qualquer hegemonia ou jurisdição sobre a larga extensão territorial que abrangia.
O Maranhão é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Localiza-se no extremo oeste da Região Nordeste. Limita-se com três estados brasileiros: Piauí (leste), Tocantins (sul e sudoeste) e Pará (oeste), além do Oceano Atlântico (norte). Sua área é de 331 937,450 km², possuindo 217 municípios, sendo o segundo maior estado da Região Nordeste do Brasil e o oitavo maior estado do Brasil.

O Paiz

  • Entidade coletiva
  • 1884-1930

O Paiz foi um periódico matutino publicado no Rio de Janeiro, entre o último quartel do século XIX e a Revolução de 1930. Fundado pelo imigrante português João José dos Reis Júnior, mais tarde agraciado com o título de conde de São Salvador de Matosinhos, circulou entre 1 de Outubro de 1884 e 1930. Seu primeiro redator-chefe foi Rui Barbosa, que, após apenas três dias no cargo, foi substituído por Quintino Bocaiúva (1836-1912), então presidente do Partido Republicano, que ficou no cargo de 1885 até ao início do século XX. Por contar com lideranças republicanas na chefia das redações foi, ao lado de "A Gazeta Nacional", um importante veículo da causa abolicionista no país e da ideologia republicana, durante toda a chamada República Velha, ou República do Café com Leite, período que vai até 1930. Escreveram nas páginas, entre outros, Rui Barbosa, Fernando Lobo, Anésia Pinheiro Machado, Joaquim Serra, Alcindo Guanabara, Urbano Duarte e Joaquim Nabuco.

Theatro Municipal

  • Entidade coletiva
  • 1909

Em 1894, o autor teatral Arthur Azevedo lançou uma campanha para que um teatro fosse construído para ser sede de uma companhia municipal, a ser criada nos moldes da Comédie Française. Mas a campanha resultou apenas em uma Lei Municipal, que determinou a construção do Theatro Municipal. A lei, no entanto, não foi cumprida, apesar da existência de uma taxa para financiar a obra. A arrecadação desse novo imposto nunca foi utilizada para a construção do Theatro. Somente em 1903, o prefeito Pereira Passos, nomeado pelo presidente Rodrigues Alves, retomou a idéia e, a 15 de outubro de 1903, lançou um edital com um concurso para a apresentação de projetos para a construção do Theatro Municipal. Finalmente, quatro anos e meio mais tarde – um tempo recorde para a obra, que teve o revezamento de 280 operários em dois turnos de trabalho – no dia 14 de julho de 1909 foi inaugurado pelo presidente Nilo Peçanha o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que tinha capacidade para 1.739 espectadores.

Farmácia Granado

  • Entidade coletiva
  • 1870

Botica mais antiga do Brasil, a Granado foi fundada em 1870, pelo português José Antônio Coxito Granado. O estabelecimento ficava na rua Direita, 14/16, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, uma das mais movimentadas da época. Hoje, esta rua chama-se Primeiro de Março, e a Granado lá permanece com suas portas abertas. Em seus primórdios, a ‘pharmácia’ manipulava produtos com extratos vegetais de plantas, ervas e flores brasileiras, cultivadas no sítio do seu fundador, em Teresópolis (RJ). Além desses medicamentos, Coxito ainda importava produtos da Europa e adaptava suas fórmulas para os padrões e as necessidades dos brasileiros e daqueles que aqui moravam. A qualidade e eficácia desses produtos logo tornaram a farmácia uma das fornecedoras oficiais da Corte. Desta aproximação com a Família Imperial, nasceu a amizade com Dom Pedro II que, em 1880, conferiu à Granado o título de Farmácia Oficial da Família Real Brasileira.

Alfredo Pereira

  • Pessoa
  • 24/12/1906 - [?]

Alfredo Pereira foi um cidadão comum luso-brasileiro. Nasceu em Arcos de Valdevez, Portugal, dia 24/12/1906. Filho de Antonio Pereira e de Casimira [Rosa?] de Brito.

Ambrósio Leitão da Cunha

  • Pessoa
  • 1885 - 1887

Ambrósio Leitão da Cunha (1825 Santa Maria de Belém/PA-1898 RJ). Era filho do major do Exército Gaspar Leitão da Cunha, descendente da antiga Casa de Mazagão. Casou-se com D. Maria José da Gama Silva, filha do capitão de Mar e Guerra, José Joaquim da Silva, da linhagem dos Tavoras. Foi presidente das províncias do Pará de 24/05/1858 a 08/12/1858; da Paraíba, de 04/06/1859 a 13/04/1860; de Pernambuco, de 23/04/1860 a 1861, do Maranhão, de 13/06/1863 a 24/11/1863, de 03/10/1864 a 23/04/1865, de 04/09/1868 a 18/10/1868, e de 25/10/1868 a 04/04/1869; e de Bahia, de 25/11/1866 a 19/04/1867. Recusou a presidência do Rio Grande do Sul.Foi deputado Geral por sua província natal em 1861, 1864 e 1867, e foi nomeado senador Pela província do Amazonas em 1870. Foi titulado barão de Mamoré por decreto de 03/3/1883.

Antônio Carlos Ribeiro de Andrade

  • Pessoa
  • 1870-1946

Antônio Carlos Ribeiro de Andrade nasceu em Barbacena (MG), em 5 de setembro de 1870 e faleceu em 1°de janeiro de 1946 no Rio de Janeiro.Filho de Antônio Carlos Ribeiro de Andrade e Adelaide Feliciano Duarte de Andrade.Casou-se com Julieta Guimarães de Andrada, com quem teve cinco filhos.Formou-se como Bacharel pela Faculdade de Direito de São Paulo (1891).Principais atividades: Secretário de Finanças de Minas Gerais (1902/1906);Deputado Federal pelo Partido Republicano Mineiro (1911/1917);Ministro da Fazenda (1917/1918);Deputado Federal pelo Partido Republicano Mineiro (1919/1924);Senador pelo Partido Republicano Mineiro (1925/1926); Presidente de Minas Gerais (1926/1930); Foi um dos articuladores da Revolução de 1930;Membro da Comissão Diretora do Partido Social Nacionalista (1932);Foi um dos fundadores e presidente do Partido Progressista de Minas Gerais (1933/1936);Deputado à Assembléia Nacional Constituinte do Partido Progressista de Minas Gerais de 1934;Presidente dos Trabalhos Constituintes;Exerceu inteiramente a Presidência da República em 1935 e Deputado Federal pelo Partido Progressista Democrático de Minas Gerais (1937).

Antônio Ferreira de Souza Pitanga

  • Pessoa
  • [?]

Antonio Pitanga foi um importante jurista e político brasileiro. Conforme documentado nesta presente coleção do Arquivo Histórico do MHN, percebemos a variedade de cargos para os quais fora nomeado e a sua progressão no sistema jurídico brasileiro, perpassando o final do Império de Dom Pedro II e atravessando os anos iniciais da República Brasileira. Ele ocupou cargos como: Promotor Público, Secretário de Província, Juiz de Direito, Chefe de Polícia, Juiz do Tribunal Civil e Criminal (RJ), Juiz da Corte de Apelação, além de ter sido um sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – IHGB – foi também importante Desembargador, tendo sido o Presidente da Comissão Rio Branco. Pitanga teve pelo menos dois livros publicados: “O selvagem perante o Direito” (1909) e “Organização penitenciária nos paizes latino-americanos” (1907). Atuou também na área médica ao tecer comentários sobre os loucos na Conferência Judiciária-Policial de 1917 no Rio de Janeiro e ao ser nomeado Presidente do Conselho Administrativo dos Patrimônios do Gymnasio Nacional, do Hospício Nacional de Alienados, do Instituto de Surdos-Mudos e do Instituto Benjamin Constant em 1909.Não localizamos a data de nascimento/morte.

Antônio Mendes Barreto

  • Pessoa
  • ?

Antonio Mendes Barreto viveu no estado da Bahia. Possuía relações com a família imperial.

Augusto César Malta de Campos

  • Pessoa
  • 1864-1957

Augusto César Malta de Campos, nasceu em 14 de maio de 1864 em Paulo Afonso, Alagoas. Veio para o Rio de Janeiro com 24 anos onde participou de movimentos pela Proclamação da República. Foi apresentado ao prefeito Pereira Passos, que o convidou para ser fotografo oficial da Prefeitura Municipal, cargo especialmente criado para ele. Sua função consistia em documentar todas as atividades da prefeitura, inaugurações, posses, obras públicas, e mesmo cenas dos dia-a-dia. Essa atividade o fascinou durante toda a sua vida, tendo acumulado mais de 80.000 chapas fotográficas em mais ou menos 50 anos de profissão. Nenhum recanto do Rio antigo escapou de suas lentes: os quarteirões condenados, escolas, hospitais, prédios históricos, figuras importantes, etc, tudo ficou registrado em seus negativos.Foi Malta quem deu início à reportagem ilustrada sendo, talvez o primeiro fotografo brasileiro a intuir importância da fotografia como documento e veículo de comunicação com linguagem própria. Como amigo de grandes personalidades da época, Malta acumulou enorme prestigio e influência juntos aos governadores e chagava a mesmo a utilizar a fotografia para sugerir modificações no traçado da cidade. Desse modo, o seu acervo é hoje um painel fiel da evolução histórica, social, cultural, artística e turística da então capital da República. Faleceu dia 30 de junho de 1957, aos 93 anos.

Eduardo Marcellino Paixão

  • Pessoa
  • ?

Eduardo Marcellino Paixão foi mordomo, oficial menor e Superintendente da Casa Imperial do Brasil.

Francisco Alves de Brito

  • Pessoa
  • ?

Bacharel em direito pela Escola Jurídica de SP.Juiz de Paz na época do Império. Fez serviços ao lado de importantes figuras políticas como o Regente Feijó. Foi também vereador do Rio de Janeiro.

Hermes Rodrigues da Fonseca

  • Pessoa
  • 1855-1923

Hermes da Fonseca – político brasileiro, nascido em São Gabriel, RS a 12 de maio de 1855, e faleceu em Petrópolis, RJ a setembro de 1923. Importante militar e político no Brasil Império, ajudante de ordens do Conde d’Eu. Na República, ajudante-de-campo de Deodoro da Fonseca e seu secretário militar. Comandante das forças que em Niterói deram combate a revolta da Armada.

João Alfredo Correia de Oliveira

  • Pessoa
  • 1885-1919

Político brasileiro (Goiânia PE 1885 – Rio de Janeiro RJ (1919). Formado em Direito (1858). Deputado em sua cidade (1859) e presidente das Províncias do Pará e de São Paulo (1861). Deputado em quatro legislaturas, senador (1877), ministro do Império nos gabinetes presididos pelo Marquês de São Vicente em 1877 e Visconde do Rio Branco (1871-1875), presidente do Conselho e organizador do gabinete de 1888, que aboliu a escravidão no Brasil. Durante a República foi Diretor do Banco do Brasil.

João Alves de Sousa Coutinho

  • Pessoa
  • ? - 1880

Segundo registros paroquiais de Santa Bárbara, Minas Gerais, o Comendador João Alves de Souza Coutinho faleceu em 18 de maio de 1880, no citado município, não constando data de nascimento. Casou-se com Ana Candida de Souza Coutinho, com quem teve por filho a Alexandre Alves de Souza Coutinho (?), nascido em 1860, em S. Bárbara-MG, batizado em 21 de junho de 1860, no mesmo município.

Johann Moritz Rugendas

  • Pessoa
  • 1802-1858

Johann Moritz Rugendas (Augsburg, Alemanha, 1802 – Weilheim, Alemanha, 1858) foi pintor, desenhista e gravador. Teve a arte como presença constante em sua vida, uma vez que pertencia à sétima geração de uma família de pintores, desenhistas, gravadores e impressores. Iniciou suas atividades artísticas ainda na infância, exercitando-se na prática do desenho e da gravura auxiliado pelo pai, Johann Lorenz Rugendas (1775 – 1826), diretor e professor da escola de desenho de Augsburg.

José Bento da Cunha Figueiredo

  • Pessoa
  • 1808-1891

José Bento da Cunha Figueiredo, visconde do Bom Conselho, nasceu em Vila da Barra do Rio são Francisco (PE) em 1808 e morreu no Rio de Janeiro em 1891. Doutor em Direito pela Faculdade de Olinda, foi Senador e Conselheiro de Estado, Diretor Geral da Instrução Pública da Corte e Grande Designatário da Ordem da Rosa. Presidiu as Províncias de Alagoas (1849-53), de Pernambuco (1853-56), de Minas Gerais (1861-62) e do Pará (1868-69). Foi Ministro dos Negócios do Império (1875-77) no Gabinete de Duque de Caxias. Visconde, com grandeza, por decreto de 13/06/1888.

José Martiniano de Alencar

  • Pessoa
  • 1829-1877

José Martiniano de Alencar (Messejana, 1 de maio de 1829 — Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 1877) foi um jornalista, político, advogado, orador, crítico, cronista, polemista, romancista e dramaturgo brasileiro.1 Formou-se em direito, iniciando-se na atividade literária no Correio Mercantil e Diário do Rio de Janeiro. Foi casado com Georgiana Augusta Cochrane (1846-1913). Era filho do senador José Martiniano Pereira de Alencar e sua mãe era Ana Josefina de Alencar, irmão do diplomata Leonel Martiniano de Alencar, barão de Alencar e seu outro irmão era Tristão Gonçalves, e pai de Augusto Cochrane de Alencar.

José Ildefonso de Souza Ramos

  • Pessoa
  • 1812-1883

José Ildefonso de Souza Ramos nasceu em Baependi, MG, aos 28 de setembro de 1812 e faleceu no Rio de Janeiro aos 23 de julho de 1883. Formou-se bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo em 1834 e teve intensa participação política no Império, destacando-se nas questões limítrofes entre o Brasil e a República Argentina. Tomou posse no senado em 25 de maio de 1853 e o presidiu no período de 1874 a 1881.

José Marques Lisboa

  • Pessoa
  • 1807-1897

José Marques Lisboa (Rio Grande, 13 de dezembro de 1807 — Rio de Janeiro, 20 de março de 1897), filho de Francisco Marques Lisboa, Cavaleiro da Ordem de Cristo, Patrão-Mór do RS, e coronel de Milícias, e de Euphrazia Joaquina de Azevedo Lima e Alarcão. Neto paterno de Luiz Marques Lisboa de Oliveira, Capitão-Mór da Vila de Famalicão e de Teresa Maria de Jesus Bueno da Ribeira. Neto materno de Domingos de Lima Veiga, Escrivão da Provedoria da cidade de Porto-Alegre e Quarda-Mór das terras minerais daquela Província e de Gertrudes Pais Leme de Araújo Gusmão. Foi Conselho de Sua Majestade, o Imperador Pedro II, Grande Dignitário da Ordem da Rosa, Comendador da Ordem de Cristo, e da de Leopoldo da Bélgica, Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário junto a S. M. Britânica em Londres.

Manuel Antonio Pacheco

  • Pessoa
  • ? - 1862

Manuel Antônio Pacheco, Barão de Sabará (1º), nasceu (data ?) em Minas Gerais e morreu a 14/02/1862, no mesmo estado. Foi soldado da Guarda de Honra do Imperador D. Pedro II, tendo recebido o título de Cavaleiro da Ordem Imperial do Cruzeiro.

Olga Bergamini de Sá

  • Pessoa
  • 1911-1997

Olga Bergamini em 1929, tendo então 18 anos, foi convidada pelos diretores do clube de Botafogo para representar oficialmente o bairro onde morava no concurso de Miss Rio de Janeiro. Tendo vencido este concurso, Olga Bergamini tornou-se a representante do estado no concurso de Miss Brasil, no qual foi vencedora por unanimidade. Ainda em 1929 viajou para os Estados Unidos onde disputou o título de Miss Universo. Olga Bergamini foi a segunda Miss Brasil, sendo eleita em uma época na qual este concurso era um grande acontecimento social, que mexia com a rotina de todo o país, tornando-se quase um símbolo nacional. Casou-se, por volta de 1936, com o depositário judicial Danilo Bracet com quem teve uma filha, Vera Bracet. Trabalhou até se aposentar na Caixa Econômica Federal, falecendo em 4 de setembro de 1997.

Paulino José Soares de Souza

  • Pessoa
  • 1834-1901

Paulino José Soares de Souza (Nascido em Itaboraí-RJ em 21/04/1834, morreu na Guanabara-RJ em 03/11/1901). Conservador radical, líder da dissidência conservadora na Câmara dos Deputados, era notoriamente adverso à abolição total e incondicional da escravidão. Momentos antes da assinatura da Lei Áurea, pronunciou discurso contrário à abolição.

Paulino Nogueira Borges da Fonseca

  • Pessoa
  • 1841-1908

Paulino Nogueira Borges da Fonseca nasceu aos 27 de fevereiro de 1841, em Fortaleza, Ceará, e morreu em 15 de junho de 1908, em Fortaleza, Ceara, na Santa Casa de Misericórdia do estado. Filho de Francisco Xavier Nogueira e de Maria das Graças Nogueira. Paulino Nogueira Borges da Fonseca for bacharelado pela Faculdade de direito do Recife em 1865, mesmo ano em que foi nomeado promotor publico de Saboeiro, e posteriormente transferido para Secretaria de Governo como oficial maior. Em 1868 foi nomeado secretario do Governo do Ceara, e logo depois da Bahia. Em 1872, entrou para a Câmara dos Deputados. Em 1871 foi agraciado com o grau de Cavaleiro da Ordem do Cristo, em 1874 foi nomeado delegado especial no Ceara, foi inclusive desembargador da Republica de Fortaleza, atuando também na Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza, e como sócio fundador do Instituto Histórico do Ceara.

Renné Grosman

  • Pessoa
  • 1922

Renée Grosman brasileira, nascida no Distrito Federal, atual Rio de Janeiro, dia 22 de fevereiro de 1922, filha de dois imigrantes russo que fundaram no Brasil a “Casa Felippe Grosman” – posteriormente renomeada para “Casa Renê” – uma antiga loja de roupas íntimas localizada no Rio de Janeiro. Ela foi uma bailarina prodígio, tendo sido a única criança a participar do corpo de balé do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Durante sua juventude participou de produções do início do cinema nacional, incluindo produções do Cinédia; além de ter realizado apresentações em navios. Quando adulta, tornou-se relações públicas e ao se aposentar foi trabalhar no Instituto Benjamin Constant (IBC) como ledora para deficientes visuais.

Fonte: recortes de jornais e passaporte da titular.

Luis Rodrigues de Oliveira

  • Pessoa
  • ?

Luis Rodrigues de Oliveira foi o 1° Visconde de Rodrigues Oliveira, em 1894.

Francisco Garcia Pereira Leão

  • Pessoa
  • 1862-1951

Francisco Garcia Pereira de Leão nasceu em Porto Real, hoje Iguatama, município de Minas Gerais, a 02 de abril de 1862. Frequentou o Liceu Mineiro de Ouro Preto e a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, vindo a completar seus estudos na área de homeopatia na Homeopathic Medical College de Nova York.
Abolicionista e republicano foi um dos organizadores do Batalhão Acadêmico, onde serviu por quatro anos. Em 1893, parte para os Estado Unidos, onde entra no serviço consular em Nova York, a 03 de novembro do mesmo ano. Ao longo de sua carreira, viria ainda a servir em Nova Orleans, Norfolk, Glasgow, Southampton e Londres. Foi também vice-presidente da British Association em Londres e membro de várias instituições americanas como a Academia de Ciências, o Instituto de Patologia e a Sociedade de Química. Aposentou-se aos quarenta e um anos de serviço, em 1934, ano em que foi nomeado ministro. Casou-se com Esther Garcia P. Leão em 10 de junho de 1910. Faleceu como ministro a 06 de julho de 1951.

Jenny Dreyfus

  • Pessoa
  • 1905-1986

Jenny Dreyfus foi uma brasileira, solteira, nascida na Cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, em 10 de setembro de 1905. Diplomada em datilografia, ingressou no Curso de Museus do Museu Histórico Nacional e realizou seu Curso Secundário em Paris, no então “Curso Jacobina”. Participou da comissão designada para a reformulação do registro do curso e respectivos currículos. Ainda no Curso de Museus, foi designada professora de Sigilografia e Filatelia (1946), de Artes Menores (1946) e de Cursos Isolados (1946 a 1975). Paralelamente ao exercício das funções de professora de Cursos Isolados, exerceu o cargo de Conservadora do Museu Histórico Nacional, Chefe da Seção de História do mesmo. Dentre seus diversos títulos, consta a condecoração no grau de “Dama-Cruz” da Legião do Mérito “Presidente Antônio Carlos” e o Diploma e Medalha Cívica e Cultural “Diogo Antônio Feijó” – 1ª classe – ouro. Em 1960 assumiu a direção do Museu da República, permanecendo até 1973. Faleceu em 1986, No Rio de Janeiro.

Paul Erbe

Paul Erbe

Clube Tiradentes

  • Entidade coletiva
  • 1881

Em 21 de Abril de 1881, octogésimo nono aniversário da morte de Tiradentes, na cidade do Rio de Janeiro, um grupo formado essencialmente por simpatizantes das idéias republicanas, reunia-se na Sala da Sociedade Brasileira Ensaios Literários, para ali fundar uma associação com o nome de Clube Tiradentes. A proposta partiu do cidadão Timotheo José Luiz Alvares Antunes, cujo objetivo era comemorar todos os anos o dia 21 de abril e efetuar em 1889 o Centenário da Conjuração Mineira. Além de reparar a injustiça cometida contra o “mártir da liberdade brasileira”, esta agremiação tinha por objetivo divulgar e, principalmente, defender os ideais republicanos. E este último objetivo não cessou com a Proclamação da República, em 15 de Novembro de 1889, muito pelo contrário, os discursos proferidos nas sessões solenes nos revelam a preocupação de seus membros em defender o regime republicano e a liberdade da Pátria Brasileira, ambos ameaçados pelas persistentes idéias monarquistas. Sendo assim, o Clube Tiradentes foi muito significativo na formação do processo político brasileiro, no período de transição entre os regimes Monárquico e Republicano. Além de influenciar outras agremiações republicanas, como o chamado Clube de São Cristóvão, divulgou suas idéias através do Periódico Tiradentes, que circulou pelas ruas da Capital Federal, em finais do século XIX e primórdios do XX.

Delegacia de Polícia de Apiaí

  • Entidade coletiva
  • 1912

Apiaí fica localizada em São Paulo e foi fundada em 14/08/1771 por Francisco Xavier da Rocha, formando inicialmente um pequeno povoado. Ainda no século XVIII o Governador Luiz Antonio de Souza Botelho de Moura, elevou o povoado a categoria de Vila com nova denominação de "Santo Antonio das Minas de Apiaí". A primitiva vila que deu origem a cidade de Apiaí, localizou-se em três lugares diferentes, sendo a mais antiga, hoje conhecido como Vila Velha dos Peões, distantes alguns quilômetros de Apiaí atual, compunha-se de escravos e aventureiros.
Apiaí, não possuía prédio próprio para a Delegacia na época referente aos documentos desta coleção. A Delegacia e a Cadeia Pública estavam reunidas num casarão de taipa centenária, localizado no alto da colina nos fundos da Escola Estadual de Primeiro Grau "Gonçalves Dias", atualmente Diretoria de Ensino de Apiaí. Somente no ano de 1912 foi construído um prédio para instalar o Fórum, Delegacia de Polícia e Cadeia Pública.

Francisco Moniz Barreto de Aragão

  • Entidade coletiva
  • 1813-1901

Família Moniz Barreto de Aragão, uma das fundadoras da Cidade de Salvador, Bahia. Destacam-se, porém, os titulares Francisco Moniz Barreto de Aragão (Bahia ,11/08/1813-Hamburgo, 25/07/1901), filho de Salvador Moniz Barreto de Aragão Souza Menezes (São Francisco do Conde-BA, 02/09/1789-Bahia, 05/07/1865), 1º Barão de Paraguassú.

Resultados 1 a 50 de 197